Quem sou eu

Minha foto

André Rodrigues de Almeida (mais conhecido com André Rodrigues), nascido em 12/10/1982, na Cidade de Jaboatão dos Guararapes, no Estado de Pernambuco. É Teólogo formado pela - Escola de Teologia das Assembléias de Deus no Brasil - ESTEADEB. Foi aluno laureado no ano de 2010, e publicou o Trabalho de Conclusão de Curso pela Editora Nossa Livraria (Editora e Comércio de Livros Jurídicos Ltda), no Estado de Pernambuco no início do ano de 2011 com o Tema: O Tríplice Ofício de Cristo: Profeta, Sacerdote e Rei.

É escritor, articulista e criador de conteúdos em (Teologia em Alta, Benfica RelógiosSkinni Jeans e Leitura Saudável), além do grupo de compras e vendas (Rapidão Negociação) no Facebook. Escreve publicações voltadas para a teologia em: Teologia em Alta e no Leitura Saudável, dispõe de assuntos diversos, frases, pensamentos e comenta política cotidiana.


segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

JESUS, O PERFEITO SUMO SACERDOTE - Por André Rodrigues

Adicionar legenda
O exercício sacerdotal de Jesus é superior a qualquer outro conhecido. Na ordem sacerdotal proveniente de Arão, a atuação dos sacerdotes[1] e sumo sacerdotes resumia-se ao Tabernáculo e, posteriormente, ao Templo, cada um com sua função específica estabelecida pela Lei. Jesus é mostrado na epístola aos Hebreus como o maior de todos os Sumos Sacerdotes. Esse ofício, largamente descrito no Antigo Testamento, tinha uma importância singular no que diz respeito às relações do povo para com Deus. Letham nos mostra quatro principais razões para entendermos essa tão preciosa relevância: Primeiro ele era o representante de Israel na presença de Deus. O peitoral inconfundível que ele vestia continha doze pedras preciosas, com os nomes das doze tribos de Israel gravados nelas (Êx 28.17-21). Cada vez que ele entrava na presença de Yahweh[2], ele levava essas pedras preciosas com ele (Êx 28.29), indicando que ele estava lá no lugar do povo com o qual Yahweh havia entrado em um pacto. Em segundo lugar, ele tinha funções proféticas. O urim e o tumim[3] também deviam se encontrar no peitoral (Êx 28.30). Com a ajuda deles, o sacerdote poderia declarar a vontade do Senhor em determinado assunto. Uma vez que os profetas surgiram esses objetos caíram em desuso. [...] Em terceiro lugar, o sumo sacerdote compartilhava com todos os sacerdotes o pronunciamento da bênção sobre Israel, declarando a bênção pactual de Yahweh (Nm 6.22-27). Em quarto lugar, enquanto o sacerdócio em geral presidia sobre a oferta dos sacrifícios diários, apenas o sumo sacerdote estaria envolvido no ritual do Dia da Expiação (Lv 16)[4]. Em essência, a sua função era expiatória[5] e propiciatória[6] (2007, p. 104, 105). O sumo sacerdote era o oficial representante do povo perante Deus. Jesus se fez carne, e, dentre os seus muitos desígnios, também estava o de ser eterno representante daqueles que o seguissem. Nesse ofício, Cristo segue o padrão do sacerdócio araônico. Entretanto, a alusão a Melquisedeque como um tipo seu ilustra bem sua autoridade real, sua eternidade, como também a natureza perpétua de sua obra (GILBERTO, Et All, 2009, p. 145). Grudem (1999, p. 525) afirma que “Jesus preencheu todas as expectativas que prefigurou, não apenas nos sacrifícios do Antigo Testamento, mas também na vida e ação dos sacerdotes que os ofereciam: ele era tanto o sacrifício quanto o sacerdote que oferecia o sacrifício”. Disse isto, o autor, ao tratar da morte de Jesus[7] na cruz do Calvário, que se tornou um sacrifício perfeito. Corroborando esse pensamento, outro escritor argumenta: No Antigo Testamento, os sacerdotes ofereciam cordeiros e bodes pelos pecados do povo. (Hb 10.4) Cristo, porém, o grande Sumo Sacerdote (Hb 7.26, 27) sacrificou-se a si mesmo, sendo sacerdote e sacrifício numa só pessoa (Hb 9.12-14; Ef 5.4). [...] Cristo cumpriu seu ofício sacerdotal, prestando perfeita obediência a seu Pai, o qual, unicamente levado por amor, entregou seu filho unigênito para redenção do mundo (Jo 3.16; 1.29). A Escritura descreve convenientemente a obra redentora de Cristo como obediência a Deus. [...] A obediência vicária de Cristo compreende em si: a) obediência ativa, pela qual nosso divino substituto se sujeitou à obrigação da Lei de Deus, cumprindo-a por nós mediante a sua vida perfeita e santa (Gl 4.4,5; Rm 5.19; Mt 3.15) b) sua obediência passiva, pela qual se submeteu à maldição da Lei[8], padeceu e morreu pelos pecados do mundo (Hb 9.12; Ef 5.2; Is 53. 4-6). Dessa maneira, por sua vida santa e morte inocente, Cristo nos adquiriu aquele mérito divino que é a nossa justiça perante Deus para a salvação (Rm 3.22-25; 2Co 5.19-21) (MUELLER, 2004, p. 299, grifo meu). Portanto, depois de sua morte sacrificial, Jesus torna-se o nosso Sumo Sacerdote, ou seja, aquele a quem podemos recorrer, porque Ele próprio conhece todas as dificuldades humanas. Disse o anônimo escritor da carta aos Hebreus: “Porque não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; porém, um que, como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado” (Hb 4.15 ARC). As qualidades de Cristo como sumo sacerdote são expostas, de forma enfática, na epístola aos Hebreus (LETHAM, 2007, p. 109). O autor também ressalta: Ele mesmo é plenamente humano, tendo participado da nossa carne e sangue. Ele sofreu, suportou tentações e experimentou a morte (2.11-18). Logo, ele permanece em solidariedade com aqueles que apresenta. Em 5.1-10, isso é colocado de forma mais ampla. Ele foi um conosco na fraqueza humana. Suas orações foram oferecidas a Deus com forte clamor e lágrimas. Ele aprendeu a obediência por meio do sofrimento (5.7-8). Portanto, ele é capaz de simpatizar conosco em nossas dificuldades (4.14, 15). Ele está equipado para nos representar diante de Deus, pois ele conhece os problemas que enfrentamos (5.1, 2). Além do mais, assim como Arão, ele foi comissionado por Deus. Ele não buscou o sumo sacerdócio perfeitamente, pois ele enfrentou a tentação com sucesso, e saiu imaculado da provação (4.14-16; 7.26, 27; 10.5-10). Seu aprendizado da obediência por meio do sofrimento (5.8) não foi um progresso de desobediência à obediência, mas, antes, foi todo um desenvolvimento ao longo de toda a sua vida de um a outro estágio de obediência. Como Lucas acentua, sua obediência a seus pais e seu crescimento em graça diante das pessoas e Deus (Lc 2.39-52), em Hebreus a implicação é desse crescimento genuíno como um ser humano, enfrentando cada desafio em obediência ao Pai de forma apropriada à idade que ele havia atingido (2009, p. 109, 110). Essas qualidades e principalmente as que se relacionam com a intercessão de Jesus por nós são criticadas por alguns estudiosos. Esses são os que afirmam serem estes ofícios profético, sacerdotal e régio, no sentido que é aplicado a Cristo, “apenas descrições figuradas dos diferentes aspectos da obra realizada por Cristo” (BERKHOF, 2001, p. 335), negando seu verdadeiro significado prático. Como nesta discussão está em pauta o ofício sacerdotal, dizem que Cristo, como sacerdote eterno, ou seja, aquele que intercede constantemente pelos seus, é apenas simbólico, não havendo uma concretização de sua intercessão literal local, mas essa intercessão dá-se somente com sua presença diante do Pai. Alguns têm argumentado que essa obra de intercessão como sumo sacerdote é apenas a permanência na presença do Pai como lembrete contínuo de que ele mesmo pagou a pena por todos os nossos pecados. De acordo com esse ponto de vista, Jesus não faz de fato orações específicas a Deus Pai por causa das necessidades individuais que enfrentamos na vida, mas “intercede” apenas no sentido de permanecer na presença de Deus como nosso sumo sacerdote que nos representa (GRUDEM, 1999, p. 526). Berkhof, entretanto, afirma que “é um triste engano supor que Ele só é sacerdote num sentido figurado” (2001, p. 335). “Apesar de Cristo haver oferecido um sacrifício perfeito ‘de uma vez por todas’, sua obra sacerdotal ainda continua. Ele vive para aplicar os méritos e o poder de sua obra expiatória perante Deus, a favor dos pecadores”. Esse mesmo autor conclui: O mesmo que morreu pelos homens agora vive para eles, para salvá-los e para interceder por eles. E, quando oramos “em nome de Jesus”, estamos pleiteando a obra expiatória de Cristo como a base da nossa aceitação, porque somente por ela temos a certeza de ser aceitos “gratuitamente no amado” (PEARLMAN, 2006, p. 171). Dessa forma, Jesus é o Sumo Sacerdote Perfeito, que intercede pelos seus a todo instante. O apóstolo Paulo enfatiza: “Pois é Cristo que morreu ou, antes, quem ressuscitou dentre os mortos, o qual está à direita de Deus, e também intercede por nós” (Rm 8.34, ARC). Somando-se a essa citação, o escritor aos Hebreus afirma que Jesus vive sempre intercedendo por nós: “Por isso, também pode salvar totalmente os que por ele se chegam a Deus, vivendo sempre para interceder por eles” (Hb 7.25, ARA, grifo nosso). O ministério sacerdotal de Jesus é, por conseguinte, iniciado antes de sua morte, entretanto, de maneira indistinta. “O trabalho de intercessão ele realizou, de alguma forma, quando ele esteve na terra (Jo 17)[9]” (SEVERA, 1999, p. 241). Porém, depois da oferta do seu sacrifício vicário propriamente dito, é que Cristo passou a exercer, “especificamente, esse ministério de intercessão (Hb 7.25; 9.24). A base da Sua intercessão é o Seu sacrifício (1Jo 2.1, 2)”[10]. Segue-se daqui que é ele o eterno intercessor, pelo auxílio de quem conseguimos favor. De onde, por outro lado, nasce não somente confiança em orar, mas também tranqüilidade às consciências piedosas, enquanto, em segurança, se reclinam na paterna indulgência[11] de Deus e estão, com toda certeza, persuadidas de que lhe agrada tudo quanto é consagrado através do mediador. Embora, na verdade, sob a Lei haja Deus ordenado se lhe oferecessem sacrifícios de animais, diversas e nova foi a disposição em Cristo, assim que o mesmo que era o sacerdote fosse também a vítima, porquanto nem se podia achar outra satisfação idônea pelos pecados, nem alguém digno de tão elevada honra que pudesse oferecer o Unigênito à Deus (CALVINO, 1985, vol. 2, p. 267, 268). Dentro dessa linha exposta por Calvino, conclui-se que Cristo é o eterno intercessor. Intercedeu, desde a fundação do mundo[12], na disposição para sua vinda a esta terra, exposta pelo Pai na promessa de redenção; intercedeu quando do Seu ministério terreno, o qual foi consumado com Sua morte na cruz; e vive intercedendo por nossas transgressões junto ao Pai. Mediante esta última consideração, percebe-se que este é o importante papel de Jesus como o Perfeito Sumo Sacerdote. Disse o anônimo escritor aos Hebreus: Quando, porém, veio Cristo como sumo sacerdote dos bens já realizados, mediante o maior e mais perfeito tabernáculo, não feito por mãos, quer dizer, não desta criação, não por meio de sangue de bodes e de bezerros, mas pelo próprio sangue, entrou no Santo dos Santos, uma vez por todas, tendo obtido eterna redenção. Portanto, se o sangue de bodes e de touros e a cinza de uma novilha, aspergidos sobre os contaminados, os santificam, quanto a purificação da carne, muito mais o sangue de Cristo, que, pelo Espírito eterno, a si mesmo se ofereceu sem mácula a Deus, purificará a nossa consciência de obras mortas, para servimos ao Deus vivo! Porque Cristo não entrou em santuário feito por mãos, figura do verdadeiro, porém, no mesmo céu, para comparecer, agora, por nós, diante de Deus; nem ainda para se oferecer a si mesmo muitas vezes, como o sumo sacerdote cada ano entra no Santo dos Santos com sangue alheio. Ora, neste caso, seria necessário que ele tivesse sofrido muitas vezes desde a fundação do mundo; agora, porém, ao se cumprirem os tempos, se manifestou uma vez por todas, para aniquilar, pelo sacrifício de si mesmo, o pecado. E, assim como aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo, depois disto, o juízo, assim também Cristo, tendo se oferecido uma vez para sempre para tirar os pecados de muitos, aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que aguardam para a salvação (Hb 9. 11-14, 24-28, ARA). Na exposição dos ofícios desempenhados por Cristo, resta-nos apenas mostrar o de Rei. Para isso, é necessário, primeiro, acentuar o exercício desse ofício nas nações da  antiguidade; depois observar seu estabelecimento na nação judaica; e finalmente desenvolver sua atuação em Jesus. É o que faremos nos próximos tópicos.


[1] No tocante a atuação dos sacerdotes, confira a seção 2.4.
[2] Transliterando: Javé, Jeová.
[3] Expressão hebraica que significa, provavelmente, luzes e verdades. Embora não seja possível precisar em que consistia este objeto usado pelo sumo sacerdote hebreu, supõe-se ter sido algo através do qual podia ele, desde que em plena comunhão com Deus, buscar a vontade divina acerca de determinados fatos (Êx 28.30; Lv 8.8; Dt 33.8) (ANDRADE, 2007, p. 354). Representavam juízo concernente à vontade de Deus. O sumo sacerdote era o juiz do povo e fazia suas resoluções servindo-se destas pedras. Simbolizavam poder e sabedoria na tomada de decisões (LIVINGSTON, Et All, vol. 1, 2009, p. 215, grifo do autor).
[4] O dia anual da expiação (ainda hoje celebrado no judaísmo com modificações e conhecido por seu nome hebraico: yôm kippûr) era celebrado no décimo dia do sétimo mês (tisri [...]). Era o dia mais solene do ano. Em cada uma dessas ocasiões, a eliminação do pecado era válida para um só ano (Hb 10.3), mas prenunciava o futuro cancelamento eterno dos pecados (Zc 3.4, 8, 9; 13.1; Hb 10.14). Depois de oferecido o bode sacrificial, o sumo sacerdote impunha as mãos sobre a cabeça do bode emissário e confessava sobre ele os pecados do povo. Em seguida, esse bode era enviado ao deserto levando consigo os pecados do povo. Essa cerimônia foi uma das prefigurações históricas, oferecidas por Deus, da futura expiação do pecado humano por meio da morte de Cristo (HALLEY, 2001, p. 128). 
[5] A palavra “expiação” vem do termo hebraico cofer. Trata-se de um substantivo do verbo caufar, cobrir. O cofer ou a cobertura era o nome da tampa ou cobertura da arca da aliança e constituía o que era chamado propiciatório. A palavra grega traduzida por expiação é katallage. Isso significa reconciliação com o favor ou, mais estritamente, os meios ou condições para que haja reconciliação com o favor; de katallasso, “mudar ou trocar”. O significado estrito do termo é substituição [...] a expiação é a substituição governamental da punição dos pecadores pelos sofrimentos de Cristo. São os sofrimentos de Cristo cobrindo os pecados dos homens (FINNEY, 2009, p. 280, 281).
[6] Propiciação [Do lat. Propitiatio, tornar favorável] Doutrina segundo a qual o sacrifício de Cristo, no Calvário, tornou Deus favorável à humanidade caída e enferma pelo pecado (I Jo 2.2). Esta doutrina está ligada, essencialmente, ao ministério sacerdotal de Cristo (I Jo 4.10) (ANDRADE, 2007, p. 306).
[7] Algumas teorias são apresentadas pela maioria dos teólogos, com a finalidade de explicar a obra da expiação executada por Cristo. Horton apresenta cinco teorias: A da Influência Moral; do Resgate; da Satisfação; Teoria Governamental; e a Teoria da Substituição Penal (Et All, 2010, p. 346-350). Strong diferencia com três e concorda apenas com uma, quando, conseqüentemente, aplica quatro em sua obra: Moral; Comercial; Legal e Sacrificial (2003, p. 380-383). Bancroft faz alusão para alguns pontos de vista que considera como errôneos, acerca da natureza da morte de Cristo, e apresenta negativamente cinco teorias: A teoria de acidente; A de morte de mártir; A teoria da influência moral; A governamental e A teoria do amor de Deus. Como positivas destaca que a morte de Cristo foi: Pré-determinada; voluntária; vicária; sacrificial; expiatória; propiciatória; redentora e substitutiva (2006, p. 145-152). Outros ainda defendem de modo semelhante. 
[8] A pena de morte seria agravada pela exposição dos corpos. Pendurar não era meio de execução, mas sim de desgraça, uma declaração pública de que o criminoso quebrara a lei do concerto e, portanto, era maldito de Deus (cf. Nm 25.4; 2Sm 4.12) (LIVINGSTON Et All, vol. 1, 2009, p. 460, grifos do autor).
[9] O capítulo 17 do Evangelho segundo João é comumente conhecido como o capítulo da “Oração sacerdotal de Jesus”.
[10] Ibidem.
[11] De acordo com Andrade, deriva do latim indulgentia, e significa: “clemência, misericórdia, perdão” (2007, p. 228).
[12] A expiação teve sua origem na eternidade. Sua fonte foi Deus. A expiação era um fato implícito no coração de Deus antes de tornar-se um fato explícito na história do homem  –  um fato da eternidade antes de tornar-se um fato do tempo (BANCROFT, 2006, p. 149). 
Artigo extraído de: RODRIGUES, André. O Tríplice Ofício de Cristo: Profeta, Sacerdote e Rei. 2011, Editora Nossa Livraria - PE




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Jesus, deseja te salvar!

Jesus, deseja te salvar!
"Portanto, pode também salvar perfeitamente os que por ele se chega a Deus". (Hb 7.24a).

Teologia em Alta

Teologia em Alta
"Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redarguir, para corrigir, para instruir em justiça" (2Tm 3:16).