Quem sou eu

Minha foto

André Rodrigues de Almeida (mais conhecido com André Rodrigues), nascido em 12/10/1982, na Cidade de Jaboatão dos Guararapes, no Estado de Pernambuco. É Teólogo formado pela - Escola de Teologia das Assembléias de Deus no Brasil - ESTEADEB. Foi aluno laureado no ano de 2010, e publicou o Trabalho de Conclusão de Curso pela Editora Nossa Livraria (Editora e Comércio de Livros Jurídicos Ltda), no Estado de Pernambuco no início do ano de 2011 com o Tema: O Tríplice Ofício de Cristo: Profeta, Sacerdote e Rei.

É escritor, articulista e criador de conteúdos em (Teologia em Alta, Benfica RelógiosSkinni Jeans e Leitura Saudável), além do grupo de compras e vendas (Rapidão Negociação) no Facebook. Escreve publicações voltadas para a teologia em: Teologia em Alta e no Leitura Saudável, dispõe de assuntos diversos, frases, pensamentos e comenta política cotidiana.


quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

A CONSOLIDAÇÃO DA DOUTRINA NA TEOLOGIA HODIERNA - Por André Rodrigues






Nessa expectativa final, é importante dizermos que a doutrina do Tríplice Ofício de Cristo está presente entre os teólogos hodiernos[1]. Entretanto, ela é transmitida de maneira superficial[2], com sua importância menosprezada. No início, parecem ser unânimes no desenvolvimento introdutório do assunto, com poucas exceções. Berkhof e Hodge são semelhantes; Strong e Grudem parecem correlatos; Soares e Mueller partem do mesmo pressuposto: o destaque do múnus tríplex. Quanto à doutrina, Strong diz:


As Escrituras representam os ofícios de Cristo em número de três: profético, sacerdotal e real. Apesar de que estes termos derivam de relações humanas concretas, expressam idéias perfeitamente distintas. O profeta, o sacerdote e o rei do V.T., diferenciavam-se, mas designavam prefigurações daquele que devia combinar todas as variadas atividades em si mesmo, e forneceria a realidade ideal, da qual eram símbolos imperfeitos. (2003, p. 370).


 Soares denomina essa doutrina de “O Munus Triplex”. Assevera que se trata da doutrina dos três ofícios de Cristo: Profeta, Sacerdote e Rei (2008, p. 97, grifo do autor).  Ainda outros, referem-se a ela da mesma maneira.


 Grudem diz-nos:

Os três cargos mais importantes que poderiam existir para o povo de Israel no Antigo Testamento eram: o profeta (como Natã, 2Sm 7.2), o sacerdote (como Abiatar, ISm 30.7) e o rei (como Davi, 2Sm 5.3). esses três ofícios eram distintos. Os profetas falavam as palavras de Deus ao povo; o sacerdote oferecia sacrifícios, orações e louvores a Deus em favor do povo; e o rei governava o povo como representante de Deus. Esses três ofícios prefiguravam a própria obra de Cristo de várias maneiras (1999, p. 523, grifos do autor).


Pertence a Mueller a declaração abaixo:


A encarnação do Filho de Deus realizou-se para que se pudesse cumprir a obra da redenção determinada por Deus desde a antiguidade (Jo 17.4; 3.16; Mt 18.11; Lc 19.10; I Tm 1.15). A Confissão de Ausburgo[3] declara (Art. III): “O Verbo, isto é, o Filho de Deus se fez ser humano, nascido da bem-aventurada virgem Maria [...] para ser a oblação não só pela culpa original, mas, ao mesmo tempo por todos os demais pecados e assim nos reconciliar com o Pai”. Logo, tudo o que Cristo fez, no seu estado de humilhação como homem-Deus[4] (Lc 1.30,31; Mt 1,21,25; Lc 2.21), e o que ainda faz como tal, em seu estado de exaltação, pertence ao seu divino ofício ou obra. [...] Daí falarmos de um tríplice ofício de Cristo: a) o profético (munus propheticum), b) o sacerdotal (munus sacerdotales) e c) o real (múnus regium) O Messias foi, já no Antigo Testamento, descrito como divino Profeta, Sacerdote e Rei. Apesar de que os três ofícios jamais estiveram divididos ou separados em Cristo, perseveraremos nessa classificação que acabamos de fazer (múnus tríplex) para fins de maior clareza na apresentação da obra de Cristo (MUELLER, 2004, p. 295, 296, grifos do autor).   



Não se faz necessário expormos um a um de forma pormenorizada, pois isso seria por demais repetitivo. O importante é mostrar que a doutrina do Tríplice Ofício de Cristo está também presente na teologia de nossos dias.
Sem a exposição dessa doutrina acima, seria difícil compreendermos os ditames estabelecidos por Deus, visto que ela tem plena conexão com o conhecimento que possuímos da Palavra de Deus (profeta), da obra salvívica de Jesus (sacerdote) e de nosso futuro regido com perfeição eterna (rei). 






[1] Esequias Soares; Ciro Sanches Zibordi; Myer Pearlman; Eurico Bergstén; Oscar Cullman; e os reformados Wayne Grudem; Louis Berkhof; Charles Hodge; Robert Letham; Augusto Hopkins Strong; dentre outros.        

[2] Raro, um ou outro destes supracitados alonga-se em determinado ofício. Strong, por exemplo, se detém com brevidade acerca do ofício sacerdotal em detrimento dos outros (2003, p. 370ss).

[3] Andrade (2007, p. 109), afirma ser a declaração básica da fé luterana. Redigida por Felipe Melanchthon, foi apresentada à Dieta de Augusburg em 1530. Melanchton (1497-1560) foi um dos mais diretos colaboradores de Martinho Lutero (ANDRADE, 2007, p. 398).

[4] Do gr. tard. Theántropos (AURÉLIO).



Artigo extraído de: RODRIGUES, André. O Tríplice Ofício de Cristo: Profeta, Sacerdote e Rei. 2011, Editora Nossa Livraria - PE


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Jesus, deseja te salvar!

Jesus, deseja te salvar!
"Portanto, pode também salvar perfeitamente os que por ele se chega a Deus". (Hb 7.24a).

Teologia em Alta

Teologia em Alta
"Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redarguir, para corrigir, para instruir em justiça" (2Tm 3:16).