Quem sou eu

Minha foto

André Rodrigues de Almeida (mais conhecido com André Rodrigues), nascido em 12/10/1982, na Cidade de Jaboatão dos Guararapes, no Estado de Pernambuco. É Teólogo formado pela - Escola de Teologia das Assembléias de Deus no Brasil - ESTEADEB. Foi aluno laureado no ano de 2010, e publicou o Trabalho de Conclusão de Curso pela Editora Nossa Livraria (Editora e Comércio de Livros Jurídicos Ltda), no Estado de Pernambuco no início do ano de 2011 com o Tema: O Tríplice Ofício de Cristo: Profeta, Sacerdote e Rei.

É escritor, articulista e criador de conteúdos em suas páginas pessoais (Teologia em Alta, Benfica Relógios e Skinni Jeans), além do grupo de compras e vendas (Rapidão Negociação) no Facebook. Escreve publicações voltadas para a teologia em: Teologia em Alta e no Leitura Saudável, dispõe de assuntos diversos, frases, pensamentos e comenta política cotidiana.

Atualmente, é CEO na Skinni Jeans (empresa no qual aplica-se, a comercialização varejista/atacadista multimarcas de Jeans Luxo) André Rodrigues desenvolve também, consultoria de negócios e-Commerce básico, com orientações, sugestões e etc.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

PRINCÍPIOS QUE NORTEIAM O DESENVOLVIMENTO DE UM RELACIONAMENTO COM DEUS - Por André Rodrigues

       
Diz o texto sagrado: "Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis o vosso corpo em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. E não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus" (Rm 12.1,2 - ARC). É desta forma que inicia - por certo - um dos mais conhecidos textos concernentes a consagração do homem a Deus. Aqui, o apóstolo Paulo, dirigindo-se à igreja que havia em Roma, mostra que o princípio dominante para início de um relacionamento com Deus é em primeiro lugar dispor-se totalmente a ele, a sua palavra e entregar-se sem reservas como bem enfatiza Jesus em certa ocasião: "[...] Amarás ao Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todas as tuas forças e com toda a tua capacidade intelectual e amarás o teu próximo como a ti mesmo" (Lc 10.27 - BKJA). Em segundo lugar, cabe lutar - como disciplina pessoal, que fique bem claro - veementemente contra todo o sistema que vá de encontro aos ditames estabelecidos pela sua palavra. Com esforço procurar através de suas atitudes uma conduta que coadunem com a ética divina largamente exposta nas escrituras. Agindo por estes critérios, o relacionamento com Deus passa a tomar formas robustas e o melhor dele - dentro de sua vontade - é percebível, palpável e sobretudo, excepcional. Relacionar-se com Deus não é exclusividade deste ou aquele seguimento e/ou indivíduo, no entanto, para dar início a esta relação é necessário mudança de vida, de atitudes, de conduta. Tiago escreve: "Chegai-vos a Deus, e ele se chegará a vós. Limpai as mãos, pecadores; e, vós de duplo ânimo, purificai o coração" (Tg 4.8 - ARC); em outro lugar se pronuncia: "Buscai ao Senhor enquanto se pode achar, invocai-o enquanto está perto. Deixe o ímpio o seu caminho, e o homem maligno, os seus pensamentos e se converta ao Senhor, que se compadecerá dele; torne-se para o nosso Deus, porque grandioso é em perdoar" (Is 55.6,7 - ARC). Deus deseja relacionar-se com o homem. Porém, ele é santo e exige santidade daqueles que se propõem a tal relacionamento. 
Voltando ao capítulo 12 da referida epístola, o apóstolo, inspirado pelo Espírito, mostra que além das prerrogativas acima devemos ter humildade constante; a consciência da importância de ser membro do corpo de Cristo; e a responsabilidade de administrar com primazia os dons recebidos por Deus. Exorta-nos, ainda, a amarmos sem fingimento; e que aborreçamos o mal; e que sempre que possível apegarmos ao bem para com os semelhantes e de igual modo, ser fervoroso em espírito para servir ao Senhor (vv 6-11). 
Poder-se-ia trazer a discussão inúmeros outros textos que corroboram verdades concernentes ao relacionamento com Deus, no entanto, resumidamente, o versículo 12 carrega três pilares que podem ser utilizados para uma maior compreensão deste quesito, diz o texto: "alegrai-vos na esperança, sede paciente na tribulação, perseverai em oração" (Rm 12.12 - ARC). Para os que creem, a esperança é que Deus chama a existência aquilo que não existe e que é poderoso para tornar real o que pedimos ou pensamos, ultrapassando nossas expectativas. Mas, para que a intervenção de Deus venha a se tornar realidade - no relacionamento - é preciso está dentro dos parâmetros supracitados, ou seja, ter havido ao menos o esforço em relacionar-se com ele e um mesmo esforço em procurar melhorias para a relação. Já a 'paciência na tribulação' é o reflexo de um cuidado específico de Deus para um determinado fim. Quando o imperativo é inserido demonstra cabalmente que pelas nossas forças não será possível mudar a difícil situação e ela aponta para nossa petição de misericórdia ao Senhor estreitando, desta forma, ainda mais a relação. Aquilo que parece ser uma situação difícil, nada mais é do que Deus com sua ação magisterial em nossas vidas. Neste caso, o que resta é esperar pacientemente. Através da conjuntura da frase podemos, nas entrelinhas entender como se Deus estivesse dizendo: o mal não será perpétuo! Haverá um fim e é para uma finalidade. Ele sabe até onde nós suportamos e não permite que carreguemos um fardo além de nossas forças. É perceptível que são nas horas de maior dificuldade que o homem tende a procurar por Deus e os momentos difíceis - na ótica escriturística - possuem exatamente esta finalidade. Por último, diz a santa porção que devemos perseverar em oração. Ao iniciar uma parábola, Jesus ensinou "[...] sobre o dever de orar sempre e nunca desfalecer" (Lc 18.1 - ARC). Após a ascensão do mestre, seus discípulos viviam em oração. A igreja primitiva orava constantemente, os novos conversos partiam para o princípio da oração. Decisões importantes foram desenvolvidas através da oração. Paulo exorta aos cristão de Tessalônica que vivessem em uma vida de incessante oração, pelo que diz: "Orai sem cessar" (I Ts 5.1 - ARC). A oração é primordial a quem deseja se relacionar com Deus. Na prática, oração é conversa com Deus. Assim, se há conversa, supõe que há relacionamento. 
Portanto, a aplicação destes três pilares para um princípio de relacionamento conclusivamente se dá: 1. saber que Deus pode reverter qualquer situação (executar esperança); 2. entender que as difíceis situações são ações pedagógicas para uma finalidade e a certeza que não perpetuará no sofrimento (exercício da paciência); e 3. para desenvolver um estreito relacionamento com Deus é preciso viver em constante conversa com ele (prática da oração). Sem a criteriosa observação destes pilares como princípios que norteiam o desenvolvimento de um relacionamento com Deus, dificilmente o homem atingirá este intento tão precioso. 

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

QUÃO PARECIDO COM JESUS É O SEU LÍDER - Por André Rodrigues


Resultado de imagem para christian leader

Entre 66-68 d.C., no auge de sua melhor fase em personalidade; com o caráter cristão consolidado; e, obviamente sob a inspiração do Espírito Santo, o apóstolo Pedro alerta em sua segunda epístola que do mesmo modo que "[...] houve entre o povo falsos profetas, - também - haverá - entre nós - falsos doutores que introduzirão encobertamente heresias de perdição e negarão o Senhor que os resgatou trazendo sobre si mesmo repentina perdição. E muitos seguirão as suas dissoluções, pelos quais será blasfemado o caminho da verdade." Para cumprimento do que está escrito, observa-se com clareza a vivência desta porção e outras correlatas que enriquecem ainda mais a hodierna realidade. Jesus, no conhecido Sermão da Montanha, assegura que "nem todo - que a Ele - diz: Senhor, Senhor! entrará no Reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus". Na mesma perspectiva, João, entre 85-95 d.C., tratando da observação dos mandamentos, do amor fraternal e separação do mundo (sistema), dentre outras coisas afirma: "aquele que diz que está nele também deve andar como ele andou". Assim, a percepção do autêntico servo (leia-se, ministro) de Deus parte do princípio do quão parecido com Jesus ele é. Se há conduta e procedimentos contrários aos ensinos exaustivamente expostos por Jesus e mais adiante por seus apóstolos, sabe-se que o tal está mais inserido na mensagem do Espírito Santo à Pedro do que em qualquer outra porção que o satisfaça conscientemente como verdadeiro seguidor do Cristo vivo.

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

TORNEMO-NOS CRIANÇAS - por André Rodrigues


Através do alcance da inocência como de uma criança é possível começar a ter relacionamento digno e com maior profundidade com Deus. Criança, geralmente, não carrega maldade em suas ações; criança não faz uso da inveja; criança desconhece a soberba; criança não cria situações que prejudiquem a ordem alheia. Criança, não costuma mentir. Ao contrário, esboçam amor não fingido ao seu próximo sempre que a ocasião pede e por vezes agem com o doar carinho inesperadamente. Portanto, procuremos aprender com suas ações possuindo a responsabilidade de entender as palavras de Jesus que diz: "[...] Em verdade vos digo que se não vos converterdes e não vos fizerdes como crianças, de modo algum entrareis no reino dos céus". (Mt 18.3 - ARCF)


domingo, 27 de novembro de 2016

UNIÃO EQUIVOCADA - Por André Rodrigues


É preciso entender que igreja é igreja e estado é estado. Cada um possui responsabilidades distintas. Uma junção, além de desnecessária e descabida de referência bíblica é um risco a saúde espiritual da instituição, sobretudo, por princípios de corrupção entranhados na esfera pública. Isso sim é um julgo desigual. Jesus afirmou categoricamente que as portas do inferno não prevaleceriam sobre sua igreja, portanto, qualquer comunhão em prol de defesa é um escárnio a declaração supracitada e uma afronta ao próprio Deus.

DEUS NÃO TOLERA CORRUPÇÃO - Por André Rodrigues

Resultado de imagem para corruption

Deus não tolera corrupção. Ela fere a cláusula pétrea do amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo. Nela, qualquer que seja o seu grau, geralmente haverá dois agentes, primeiro o que se beneficia e por último o que se prejudica. Na esfera divina, com base na escritura sagrada, isso é inaceitável. Assim, conclui-se que a corrupção dentre inúmeros sinônimos, maltrata; escraviza; faz-se ensoberbecer, se opor, mentir até a última instância. A corrupção desmoraliza! Mata! Procuremos, portanto, não compactuarmos com ela. Deus não tolera corrupção.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Jesus, deseja te salvar!

Jesus, deseja te salvar!
"Portanto, pode também salvar perfeitamente os que por ele se chega a Deus". (Hb 7.24a).

Teologia em Alta

Teologia em Alta
"Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redarguir, para corrigir, para instruir em justiça". 2 Timóteo 3:16