Quem sou eu

Minha foto

André Rodrigues de Almeida (mais conhecido com André Rodrigues), nascido em 12/10/1982, na Cidade de Jaboatão dos Guararapes, no Estado de Pernambuco. É Teólogo formado pela - Escola de Teologia das Assembléias de Deus no Brasil - ESTEADEB. Foi aluno laureado no ano de 2010, e publicou o Trabalho de Conclusão de Curso pela Editora Nossa Livraria (Editora e Comércio de Livros Jurídicos Ltda), no Estado de Pernambuco no início do ano de 2011 com o Tema: O Tríplice Ofício de Cristo: Profeta, Sacerdote e Rei.

É escritor, articulista e criador de conteúdos em (Teologia em Alta, Benfica RelógiosSkinni Jeans e Leitura Saudável), além do grupo de compras e vendas (Rapidão Negociação) no Facebook. Escreve publicações voltadas para a teologia em: Teologia em Alta e no Leitura Saudável, dispõe de assuntos diversos, frases, pensamentos e comenta política cotidiana.


segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

PAGANISMO E POLITEÍSMO


 
 
A cristianização da sociedade romana, após o edito de Milão no ano 313, fez com que as religiões politeístas ficassem restritas às pequenas aldeias rurais que eram chamadas de "Pagus". Desde então os cristãos passaram a chamar de pagãos a todos aqueles que ainda conservavam o politeísmo.
Em seu verdadeiro sentido, o termo paganismo designa as religiões politeístas (religiões que adoram vários deuses e divindades) e seu modelo cultural. 

O termo pagão surgiu nos últimos tempos do Império Romano, mas o conceito em que se baseia provém do judaísmo.
 
Os hebreus estabeleciam uma nítida divisão entre o povo Judeu (eleito por Deus para receber os mandamentos), e os gentios, que posteriormente seriam denominados pagãos. A distinção não era étnica ou política, mas fundamentalmente religiosa; os gentios eram "os povos que não conhecem Jeová". O povo de Israel era o depositário das promessas de Deus, mas as nações poderiam também alcançar essas promessas com o ingresso na comunidade religiosa de Israel. O judaísmo alexandrino foi particularmente aberto nesse sentido, como mostra a tradução grega da Bíblia. 

Os primeiros cristãos herdaram dos judeus a idéia de que a salvação estava reservada aos que pertenciam ao povo de Deus, mas na medida em que se estenderam pela Anatólia, Grécia e Roma, acentuaram o sentido religioso dessa pertinência. "Os que são pela fé, são filhos de Abraão" escreveu aos gálatas Paulo, que se proclamava apóstolo dos gentios, enviado para evangelizar as nações -- porque os caminhos de Deus levariam à salvação final de todas elas, reunidas com Israel no povo de Deus.

Por extensão, o termo paganismo se aplica também ao estilo de vida das pessoas que não aceitam a existência de um único Deus criador de todas as coisas, cujo paradigma pode ser a sociedade greco-romana e, de certo modo, algumas sociedades que emergiram após os movimentos renascentistas. Essa "religião dos pagãos" - segundo a expressão do historiador hispânico Paulo Orosio (século V) - caracteriza-se por conceber deuses segundo o padrão, necessidades e desejos humano. Deuses sujeitos às mesmas vicissitudes, paixões e fraquezas de homens e mulheres. Deuses sem coerência teológica ou norma moral bem definida e objetiva.

No Brasil, também chama-se pagão todo aquele que não foi batizado. 



Artigo extraído de http://www.renascebrasil.com.br/f_paganismo2.htm

domingo, 1 de janeiro de 2012

O QUE QUER DIZER MALDITO?

MALDITO, nas Escrituras, significa aquilo que é separado ou dedicado. Com relação a pessoas, denota o isolamento ou separação de alguém da comunhão da igreja, do número dos vivos, ou dos privilégios da sociedade, e também a dedicação de um animal, cidade, ou outra coisa à destruição. Anátema era uma espécie de excomunhão entre os judeus, e era freqüentemente praticada após terem perdido o poder da vida e da morte, contra aqueles que, de acordo com a lei mosaica, tinham que ter sido executados. Um criminoso, depois que a sentença de excomunhão era pronunciada, se tornava anátema, e eles tinham uma firme convicção de que a sentença não seria em vão, mas que Deus interferiria para punir o ofensor de uma maneira similar à pena da lei de Moisés. Um homem, por exemplo, que a lei condenava que fosse apedrejado, seria, criam eles, morto pela queda de uma pedra sobre ele. Um homem a ser enforcado seria sufocado. E alguém que a lei sentenciava às chamas, seria queimado em sua casa, etc. Maranata, um palavra siríaca, que significa venha Senhor, foi acrescentada à sentença, para expressar sua convicção de que o Senhor Deus viria vingar-se dessa culpa que eles, em suas posições, não tinham o poder de punir, 1Co 16.22.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Jesus, deseja te salvar!

Jesus, deseja te salvar!
"Portanto, pode também salvar perfeitamente os que por ele se chega a Deus". (Hb 7.24a).

Teologia em Alta

Teologia em Alta
"Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redarguir, para corrigir, para instruir em justiça" (2Tm 3:16).