Quem sou eu

Minha foto

André Rodrigues de Almeida (mais conhecido com André Rodrigues), nascido em 12/10/1982, na Cidade de Jaboatão dos Guararapes, no Estado de Pernambuco. É Teólogo formado pela - Escola de Teologia das Assembléias de Deus no Brasil - ESTEADEB. Foi aluno laureado no ano de 2010, e publicou o Trabalho de Conclusão de Curso pela Editora Nossa Livraria (Editora e Comércio de Livros Jurídicos Ltda), no Estado de Pernambuco no início do ano de 2011 com o Tema: O Tríplice Ofício de Cristo: Profeta, Sacerdote e Rei.

É escritor, articulista e criador de conteúdos em (Teologia em Alta, Benfica RelógiosSkinni Jeans e Leitura Saudável), além do grupo de compras e vendas (Rapidão Negociação) no Facebook. Escreve publicações voltadas para a teologia em: Teologia em Alta e no Leitura Saudável, dispõe de assuntos diversos, frases, pensamentos e comenta política cotidiana.


segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

O CRISTO NA PLENITUDE DOS TEMPOS - Por André Rodrigues

Nenhum texto alternativo automático disponível.

Ao longo desta pesquisa, é possível observar que Jesus foi o Messias esperado. Ele é O Ungido de Deus. Contudo, é necessário ressaltarmos que essa revelação não se dá de modo irresponsável ou relapso. Vimos que, desde a queda do homem, Deus estabelecera uma saída, um escape, uma solução! Isso foi sendo desenvolvido no desenrolar da história do povo de Israel através dos tipos, das profecias, das manifestações teofânicas etc. O que se pode destacar neste contexto é a singularidade dessas revelações cuidadosas de Deus para o povo. Principalmente nos ofícios que foram estabelecidos para a o seu bem-estar espiritual (profetas e sacerdotes) e social (reis), dos quais trataremos mais especificamente no segundo capítulo desta pesquisa.
Quanto à expectativa divina no tocante ao momento peculiar do envio de Seu Filho a este mundo, Cairnes entende que, não somente os judeus, mas também os gregos e os romanos, “contribuíram para a preparação religiosa para a aparição de Cristo” (1995, p. 29). Ainda que o autor considere essas duas últimas influências como negativas, não há como ignorá-las. Ele ressalta literalmente que: A contribuição grega e romana foi, na realidade, negativa, mas em muito contribuiu para levar o desenvolvimento histórico até o ponto em que Cristo pudesse exercer o impacto máximo sobre a história de uma forma até então impossível (IBIDEM). Essas contribuições reúnem diferentes identidades: a romana está relacionada à política; enquanto a grega contribui no aspecto intelectual. Porém, aquela de maior efeito está associada à contribuição religiosa dos judeus: As contribuições religiosas para a “plenitude do tempo”[1] incluem tanto a dos gregos e romanos como a dos judeus. Todavia, por mais importantes que as contribuições de Atenas e Roma, como pano-de-fundo histórico, tenha sido para o cristianismo, as contribuições dos judeus formaram a Herança do Cristianismo. O cristianismo pode ter se desenvolvido no sistema político de Roma e pode ter encontrado o ambiente intelectual criado pela mente grega, mas seu relacionamento com o judaísmo foi muito mais íntimo. O judaísmo pode ser considerado como o botão do qual a rosa do cristianismo abriu-se em flor (CAIRNES, 1995, p. 34).
O judaísmo, explica o autor, trouxe pelo menos seis elementos para o desenrolar desse acontecimento: o monoteísmo, a esperança messiânica, o sistema ético, o Antigo Testamento, a Filosofia da História e a sinagoga. E conclui: Negativamente, através da contribuição do mundo grego e romano, e positivamente através do judaísmo, o mundo foi preparado para a “plenitude dos tempos” quando Deus enviou seu Filho para levar a redenção a uma humanidade partida pelas guerras e fatigada pelo pecado. É significativo que, de todas as religiões praticadas no Império Romano ao tempo do nascimento de Cristo, apenas o judaísmo e o cristianismo tenha conseguido sobreviver ao curso dinâmico da história humana (CAIRNES, 1995, p. 34-36).
Diante dessas informações, cabe-nos, a partir de agora, a apresentação bíblica de como se deu a vinda de Jesus a este mundo para cumprir todas as profecias referentes a Ele no Pacto Passado. A Escritura relata: “Ora, o nascimento de Jesus Cristo foi assim: estando Maria, sua mãe, desposada com José, sem que tivessem antes coabitado, achou-se grávida pelo Espírito Santo” (Mt 1.18 ARA). Em outro lugar está escrito: “Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho” (Mt 1.23a ARC), fazendo menção à profecia de Isaías 7.14. Dessa forma, obtemos um relance inicial de conhecimento sobre o nascimento de Jesus.
Escrevendo aos Gálatas, o apóstolo Paulo deixa relevante detalhe para explicar o exato momento do envio do Filho de Deus a este mundo. Ele diz: “[...] vindo, porém, a plenitude do tempo, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei” (Gl 4.4 ARA, grifo nosso). A expressão em destaque dá a entender que foi necessário um momento certo para a manifestação desta graça[2]. Um conceituado escritor afirma que plerõma, termo grego traduzido por ‘plenitude’, “[...] é reputado, por alguns comentadores, como vocábulo que se aplica tanto à Igreja[3] como a Cristo; [...] com o pensamento que o plano pré-ordenado por Deus está atualmente prestes a ser consumado” (DOUGLAS, Et All, 2006, p. 1294, 1295). Outro escritor destaca da seguinte forma: As palavras “a plenitude do tempo”, não indicam o período de cumprimento de todas as demais eras, conforme se vê em Efé. 1:10, como se uma era tivesse de completar uma série de eras. Mas antes está aqui em pauta o momento azado em que todo o período pré-messiânico se completou, como que trazendo à luz a manifestação primeira do Messias. A era messiânica, pois, foi o “pleno complemento” da era precedente, bem como aquela que “completou” a expansão de tempo que Deus havia determinado que transpirasse, antes da era da graça vir tomar o seu lugar. O sentido dessas palavras, por conseguinte, é “o momento exato”. Quando chegou o “momento exato” para ser inaugurada a grande dispensação[4] e a revelação da graça, Deus enviou seu filho. Foi o tempo determinado pelo Pai (CHAMPLIN, vol. 4, p. 482).
Tanto Douglas quanto Champlin entendem que Deus manifesta a sua vontade para dar início à dispensação da graça. O primeiro retrata como sendo um “plano pré-ordenado prestes a ser consumado”, o outro, chama de “momento exato”. A explicação é que havia chegado o período certo para tamanha revelação outrora vaticinada. No cumprimento dessa promessa referente ao envio, vem à terra aquele que mudaria o curso deste mundo e se revelaria como o Caminho, e a Verdade, e a Vida - Jesus! (Jo 14.6).
Portanto, conclui-se que essa manifestação trouxe para a realidade dos seres humanos o Messias, Salvador da humanidade, o qual agrega em si os ofícios de Profeta, Sacerdote e Rei a partir do início de Seu Ministério, como veremos no próximo capítulo.

Artigo extraído de: RODRIGUES, André. O Tríplice Ofício de Cristo: Profeta, Sacerdote e Rei. 2011, Editora Nossa Livraria - PE



[1] Existem duas expressões bastante parecidas que são: “Plenitude do Tempo” e “Plenitude dos Tempos”.  A primeira na colocação de Andrade diz respeito ao “Período de domínio gentílico sobre Israel e, mais particularmente, sobre Jerusalém. Foi exatamente no auge desta era que Jesus Cristo nasceu, desenvolveu o seu ministério, foi crucificado e ressurgiu dentre os mortos (Gl 4. 1-5). Este período começou em 586 a.C., quando os babilônios destruíram Jerusalém, e há de ser encerrado com a implantação do Milênio por Cristo Jesus. Segundo profetizou Nosso Senhor, a cidade de Jerusalém há de ser pisada até que se completem o tempo dos gentios (Lc 21.24)” (2007, p. 299). Já a segunda expressão, no plural, destacada em (Ef. 1.10), “o apóstolo faz alusão à implantação do Reino de Deus, quando todas as coisas hão de ser congregadas em Cristo. Paulo alude tanto ao Milênio quanto ao Estado Eterno. No primeiro caso, Paulo usa o vocábulo crono: o tempo na dimensão humana; no segundo, kairos: o tempo na dimensão divina. O primeiro está ligado à história; o segundo, à eternidade” (ANDRADE, 2007, p. 299, 300).

[2] [Do hb. Hessed; do gr. charis; do lat. gratia] Favor imerecido concedido por Deus à raça humana (ANDRADE, 2007, p. 203).

[3] O contexto de ligação de plerõma, ou seja, ‘plenitude’, inserido na citação, referindo-se à Igreja, encontra-se em Mt 5:17; Mc 1:15, de acordo com o autor da mesma citação.

[4] Concessão; o encargo de uma administração – É o período de tempo durante o qual os homens são provados a respeito da obediência a certa revelação da vontade de Deus (BOYER, 2006, p. 215).



  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Jesus, deseja te salvar!

Jesus, deseja te salvar!
"Portanto, pode também salvar perfeitamente os que por ele se chega a Deus". (Hb 7.24a).

Teologia em Alta

Teologia em Alta
"Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redarguir, para corrigir, para instruir em justiça" (2Tm 3:16).